Região de Campinas reduz latrocínios e roubos de cargas em maio

Indicadores de roubos a bancos e extorsões mediante sequestro permaneceram zerados; quantidade de prisões realizadas pelas polícias aumentou

A região de Campinas terminou o mês de maio com redução nos casos e vítimas de latrocínios e nos roubos de cargas. Os indicadores de roubos a bancos e extorsões mediante sequestro permaneceram zerados e houve aumento na quantidade de prisões realizadas pelas polícias.



No mês passado houve um boletim de roubo seguido de morte, com uma vítima. Em igual período do ano anterior, dois casos, com duas vítimas, foram contabilizados na região. Os números deste ano são os segundos menores da série histórica, iniciada em 2001.

Em contrapartida, os casos e vítimas de homicídios dolosos subiram de 15 para 23 e de 15 para 24, respectivamente, se analisados os meses de maio de 2020 e 2021.

Mesmo com a alta, as taxas dos últimos 12 meses (de junho de 2020 a maio de 2021) caíram para 5,92 ocorrências e 6,13 vítimas de mortes intencionais para cada grupo de 100 mil habitantes. Os índices são os menores da série.

No período, os estupros passaram de 52 para 77 – 25 a mais. 

Roubos e furtos

Os roubos de cargas tiveram queda de 3,1% em maio deste ano, em comparação com o quinto mês de 2020. O número passou de 32 para 31 – o menor desde 2011.

No mês passado, não foram registrados casos de roubos a bancos e extorsões mediante sequestro, assim como ocorreu em igual período no ano anterior.

Já os roubos em geral e de veículos cresceram 21,7% (de 627 para 763) e 22,9% (de 188 para 231), respectivamente.

A tendência de estendeu para os furtos em geral e de veículos. O primeiro teve alta de 54,9% (de 1.716 para 2.658) e o segundo de 9,3% (de 378 para 413).

Produtividade

O trabalho das polícias paulistas na região de Campinas, em maio de 2021, permitiu um aumento de 19,8% na quantidade de prisões. O número passou de 899 para 1.077.

No período, 76 armas de fogo ilegais foram retiradas das ruas e 306 flagrantes por tráfico de entorpecentes registrados.

Fonte Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo